A PRIVATIZAÇÃO DO ENSINO A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: reflexões sobre relações público-privadas

Carolina Borghi Mendes, Jandira Biscalquini Talamoni

Resumo


A Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) e as Secretarias Municipais de Educação (SMEs) estabelecem relações público-privadas através do Programa “Agronegócio na Escola” na região de Ribeirão Preto-SP, resultando na disseminação apenas da imagem favorável do setor do agronegócio e preconizando-se a proletarização do trabalho docente, por destituir a competência intelectual e técnica dos professores ao permitir a entrada de atividades prontas de caráter privado no ambiente escolar público que, sobretudo, perpetuam a lógica social vigente, mostrando-se como um caminho para a privatização do ensino, no âmbito ideológico, a partir da Educação Ambiental. Utiliza-se o Materialismo Histórico Dialético como fundamento teórico e metodológico deste estudo, em defesa da apropriação da EA crítica pelos representantes das SMEs e professores para a transformação deste cenário.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Ambiental Crítica; Secretarias Municipais de Educação; Escola Pública.


Palavras-chave


Educação Ambiental Crítica; Secretarias Municipais de Educação; Escola Pública.

Texto completo:

PDF

Referências


ABAG/RP, Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto. 2014. Disponível em: < http://www.abagrp.org.br/ >. Acesso em: 4 de Agosto de 2016.

DUARTE, N. Concepções Afirmativas e Negativas Sobre o Ato de Ensinar. In: Duarte, N. (org.) O Professor e o Ensino, Novos Olhares, Cadernos CEDES n. 44. Campinas: CEDES, p. 85-106, 1998.

ETHOS, Instituto Ethos. 2016. Disponível em: . Acesso em 12 de Agosto de 2016.

FALLEIROS, I. et al. Fundamentos históricos da formação/atuação de seus intelectuais orgânicos. In: NEVES, L. M. W. Direita para o social e esquerda para o capital: intelectuais da nova pedagogia da hegemonia no Brasil. São Paulo: Xamã. 2010.

JANKE, N. Políticas públicas de educação ambiental. Tese (Dout.) UNESP, Faculdade de Ciências, Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência. Bauru, 2012.

KONDER, L. O futuro da filosofia da práxis. 2. ed. R J: Paz & Terra, 1992.

LAYRARGUES, P. P. Para onde vai a educação ambiental? O cenário político-ideológico da educação ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea de Educação, v. 7, n. 14, agosto/dezembro, 2012.

LAMOSA, R. Estado, Classe social e Educação no Brasil: uma análise crítica da hegemonia da Associação Brasileira do Agronegócio. 436f. 2014. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

_______; LOUREIRO, C. F. B. Agronegócio e educação ambiental: uma análise crítica. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.22, n. 83, p. 533-554, abr./jun. 2014.

MARTINS, A. S.; NEVES, L. M. W. Fundamentos teóricos da formação/atuação dos intelectuais da nova pedagogia da hegemonia. In: NEVES, L. M. W. Direita para o social e esquerda para o capital: intelectuais da nova pedagogia da hegemonia no Brasil. São Paulo: Xamã. 2010.

MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Lisboa: Edições 70, 1989.

MENDES, C. B. Influências de Instituições Externas à Escola Pública: privatização do ensino a partir da Educação Ambiental? (Dissertação) Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência. FC/UNESP-Bauru, SP. 2015.

MENDES, C. B.; LAMOSA, R. A inserção da Associação Brasileira do Agronegócio nas escolas públicas através da educação ambiental: o posicionamento das secretarias municipais de educação. VIII EPEA - Encontro Pesquisa em Educação Ambiental, 2015, Rio de Janeiro. Anais... 2015. Disponível em: . Acesso em 12 de Agosto de 2016.

MENDONÇA, S. R. O Patronato Rural Brasileiro na atualidade: dois estudos de caso. Anuario del Centro de Estudios Históricos Prof. Carlos S. A. Segreti, Córdoba, Argentina, año 8, n. 8, p. 139-159, 2008.

SAVIANO, D. A história da escola pública no Brasil. Revista de ciências da Educação, ano 5, n. 8, p. 185-202. 2003

_______. Transformações do Capitalismo, do mundo do trabalho e da educação. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. Capitalismo, trabalho e educação. Campinas: Autores Associados, HISTEDBR, 2005.

_______. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. 11º ed. Campinas: Editores associados, 2011.

_______. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas/SP: Autores Associados, 2013.

SOUZA, D. C. A Educação Ambiental Crítica e sua construção na escola pública: compreendendo contradições pelos caminhos da formação de professores. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências, Bauru, 2014.

TEIXEIRA, L. A. Formação do educador ambiental: reflexões de um professor da escola pública. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências, Bauru, 2013.

TOZONI-REIS, M. F. de C. Princípios metodológicos da Educação Ambiental. In: Metodologias Aplicadas à Educação Ambiental. São Paulo: IESDE, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.29404/rtps-v2i2.3246

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grupo de Pesquisas Sobre Trabalho, Política e Sociedade (GTPS)

Rua Savero José Bruno, S/N – Moquetá – Nova Iguaçu – RJ – CEP: 26285-021
URL:  http://trabalhopoliticaesociedade.blogspot.com.br/ 
E-mail: rtps@ufrrj.br