ALIANÇA INÉDITA E DECADÊNCIA IDEOLÓGICA NO CAMPO: A reforma agrária do consenso

Arlete Ramos dos Santos

Resumo


Este texto traz os resultados de uma pesquisa de pós-doutorado, realizada na regional Extremo Sul da Bahia, na qual foi analisada a relação de parceria, os acordos e o diálogo estabelecido entre os movimentos sociais do campo, o Estado e as empresas do agronegócio. Utilizamos a metodologia qualitativa de natureza exploratória, e os instrumentos de coleta de dados foram análise de documentos e entrevistas semiestruturadas. As reflexões tiveram o suporte do materialismo histórico dialético e os resultados apontaram que na região brasileira pesquisada está evidenciando um novo formato de reforma agrária, o qual estamos denominando de Reforma Agrária do Consenso. Trata-se de uma parceria estabelecida por meio de um consenso “negociado” entre as empresas do agronegócio, Fíbria S/A e Veracel Celulose S/A, que atuam na região investigada, o governo do estado da Bahia e os movimentos sociais do campo, e diz respeito ao financiamento de projetos de agroecologia por parte das empresas, enquanto que os movimentos sociais contemplados deverão deixar de ocupar as terras do agronegócio a partir do período em que a parceria foi estabelecida. O papel do governo da Bahia nesse contexto será o de mediar essa relação antagônica entre capital e trabalho.

Palavras-chave: Agronegócio; capitalismo; ideologia; Movimentos sociais do campo; Reforma Agrária.


Palavras-chave


Agronegócio; capitalismo; ideologia; Movimentos sociais do campo; Reforma Agrária

Texto completo:

PDF

Referências


BAHIA. SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Mais de 200 famílias recebem assentamentos sustentáveis em Prado. Salvador: 30/04/2015. Disponível em: http://secom.ba.gov.br/2015/04/125282/Mais-de-200-familias-recebem-assentamentos-sustentaveis-em-Prado.html , acesso em 30/05/2017.

BERNSTEIN, Basil. O socialismo evolucionário. Rio de Janeiro: Zahar editores. Tradução de Manuel Teles, 1964.

BOGDAN, Robert; BILKEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora. 1982.

BRASIL. Senado Federal. Constituição Federal de 1988.

________. Lei Nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Brasília (DF): 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4504.htm , acesso em 30/05/2017.

BUREAU VERITAS BRASIL. Relatório Público de Certificação de Manejo Florestal. S/l: 2015. Disponível em: http://www.bureauveritascertification.com.br/sobre-nos/relatorios-publicos#&panel1- , acesso em 30/05/2017.

DALUTA. Banco de dados da luta pela terra. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/nera/projetos/dataluta_brasil_2013.pdf , acesso em 30/05/2017.

FÍBRIA. Relatório de sustentabilidade. S/l. : Fíbria Celulose S.A. 2014. Disponível em: http://www.fibria.com.br/relatorio2013/shared/relatorio-de-2012-firmes-no-rumo-7abr2014.pdf , Acesso em 23/10/2015.

FIBRIA. Midia: releases. S/l: 30/04/2015. Disponível em: http://www.fibria.com.br/midia/releases/entrega-da-fazenda-colatina-para-familias-assentadas-pelo-incra-na-bahia-consolida-projeto-assentamentos-sustentaveis-com-agroflorestas-e-biodiversidade/ , acesso em 30/05/2017.

FOURRIER, Charles. Le Nouveau Industriel et sociétaire. Oeuvres completes, vol. VI. Londres, Anthropos, 1970.

GAZETA DA BAHIA (A). Assentamentos sustentáveis: projeto em Porto Seguro poderá ser modelo para o Brasil. Porto Seguro (BA): 24/04/2013. Disponível em: http://www.agazetabahia.com/noticias/geral/3123/assentamentos-sustentaveis-projeto-em-porto-seguro-podera-ser-modelo-para-o-brasil-29-04-2013/ Acesso em: 05/01/2016.

HABERMAS, Jürgen. The theory of communicative action. Vol 2. Lifeworld and sistem: A critique of functionalist reason. Boston, Beacon Press. 1970.

KONDER, Leandro. A questão da ideologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. (6. ed.) São Paulo: Paz e Terra. 1997.

LUKÁCS, George. Marxismo e teoria da literatura. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. 1968.

LÖWY, Michel. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. Trad. De Juarez Guimarães e Suzanne Felício. São Paulo, Buscavida, 1987.

MASSON, Gisele. As contribuições do método materialista histórico e dialético para a pesquisa sobre políticas educacionais. In: Anped Sul, IX. Anais do Seminário de pesquisa em educação da região Sul. 2012.

MARTINS, José de Souza. Reforma Agrária: o impossível diálogo sobre a História possível. In: Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, 1984.

MARX, KARL. A ideologia alemã. Tradução José Carlos Bruni e Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Hucitec. 2002.

________. O capital. Crítica da Economia Política. Livro Primeiro. Volume I. O Processo de Produção do Capital. TOMO 1 (Prefácios e Capítulos I a XII). São Paulo : Editora Nova Cultural (Os Economistas). 1996.

MÉSZÁROS, Ístvan. Para além do capital. Tradução Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo. 2011.

MST. Princípios da Educação no MST. Caderno de Educação, n. 8, Porto Alegre. 1995.

________. Cartilha do Programa Agrário do MST. VI Congresso Nacional do MST. São Paulo. 2014.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. O que significa agronegócio? 2010. Disponível em: http://www.seea.org.br/artigojoseadilson2.php . Acesso em: 13/11/2015.

PASSA PALAVRA. O MST e a reforma agrária. 23 set. 2012. Disponível em: http://www.passapalavra.info/2012/09/64686 . Acesso em: 22/02/2016.

PETIÇÃO PÚBLICA. Abaixo-assinado carta dos atingidos pela expansão da Veracel, Suzano e Fíbria na Bahia. São João do Paraíso – Mascote, 21 de abril de 2012. Disponível em: http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=P2012N24532 , acesso em 30/05/2017.

PORTAL VERMELHO. MST e Fibria: aliança inédita encerra conflito no campo. São Paulo: 23 de julho de 2012. Disponível em: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=189167&id_secao=8 , acesso em 30/05/2017.

GLASS, Verena. Para João Pedro Stedile, tempo da reforma clássica passou. Repórter Brasil, 03/07/2013. Disponível em: http://reporterbrasil.org.br/2013/07/para-joao-pedro-stedile-tempo-da-reforma-classica-passou/ , acesso em 30/05/2017

RICCI, Rudá. Lulismo: da era dos movimentos sociais à ascensão da nova classe média. Brasília: Fundação Astrojildo Pereira. 2010.

SAMPAIO JR., P. A. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Serv. Social e Socidade, São Paulo, n. 112, p. 672-688, out./dez. 2012.

SANTOS, Arlete Ramos dos. Ocupar, resistir e produzir também na educação. O MST e a burocracia estatal: negação e consenso – 2013. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. 390f.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília, Ed. UNB. 2 v. 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.29404/rtps-v2i2.3308

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grupo de Pesquisas Sobre Trabalho, Política e Sociedade (GTPS)

Rua Savero José Bruno, S/N – Moquetá – Nova Iguaçu – RJ – CEP: 26285-021
URL:  http://trabalhopoliticaesociedade.blogspot.com.br/ 
E-mail: rtps@ufrrj.br